No Dia do Médico Veterinário, entenda como estes profissionais colaboram para a segurança alimentar brasileira

Com as auditorias e fiscalizações, os veterinários têm papel fundamental na garantia da qualidade dos produtos de origem animal

Dos mais de 2,7 mil auditores fiscais federais agropecuários (Affas), cerca de 1,5 mil são médicos veterinários. Estes profissionais são responsáveis, entre outras atividades, pela fiscalização e auditoria de todos os processos relacionados à fabricação de alimentos de origem animal, desde a fabricação de insumos para a pecuária, como as vacinas usadas em animais criadas para abate, até o produto final destinado ao consumo, como lacticínios, ovos, mel e carnes. Este serviço é importante pois garante a segurança alimentar da população, a abertura de mercados externos, o crescimento do agronegócio e, consequentemente, o desenvolvimento da economia brasileira

O médico veterinário, Simplício Alves de Lima, que atua como Affa há 43 anos, conta que, para ele, exercer uma atividade profissional que impacta a vida dos brasileiros de maneira tão positiva é uma honra. “O Brasil é o maior exportador de carne bovina e aviária do mundo, e quarto em exportação de suínos. Saber que o nosso trabalho de auditoria colabora para a conquista desses resultados é muito gratificante”, conta.

Estes auditores atuam nas fronteiras, nos campos, nos laboratórios, nas agroindústrias, no governo e até mesmo em países estrangeiros, onde operam como representantes do agronegócio brasileiro. “Por conta da sua formação, o médico veterinário é capaz de atuar em todas as fases de produção, processamento, e até mesmo comercialização de produtos de origem animal “, explica o diretor de política profissional do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical), Antônio Andrade.

Nos portos, aeroportos e fronteiras, os profissionais são responsáveis por analisar a entrada e a saída de animais destinados à criação e produtos de origem animal voltados para consumo, como queijos, presuntos e derivados de ovo, por exemplo. Essa atuação previne a entrada de doenças e pragas que podem prejudicar a saúde dos animais e da população.

Nos campos, o trabalho dos veterinários é voltado para a prevenção, o controle e a erradicação de possíveis doenças e anomalias, por meio de monitoramento de rebanhos que são criados para o abate, inspeção de material de multiplicação animal (como sêmen, embriões e ovos férteis) e registro de raças e genealogia.

Os médicos veterinários também são responsáveis pela fiscalização de abatedouros; frigoríficos; indústrias de pescado, laticínios, ovos e mel; empresas de classificação e padronização animal; produtoras de embriões e sêmen e distribuidoras de insumos e produtos pecuários, o que assegura que os padrões e as normas de qualidade exigidos pelo Mapa sejam seguidos durante todo o processo de fabricação e comercialização dos produtos.

Nos laboratórios, as análises investigam possíveis diagnósticos de doenças animais, como a febre aftosa e a gripe aviária, que, graças à atuação dos Affas estão erradicadas no nosso País, mas que, se contraídas pelos rebanhos brasileiros, podem prejudicar gravemente a exportação de carne para outros países. “Uma vez que essas doenças sejam contraídas e os órgãos responsáveis notificados, o Brasil poderia ser retirado das listas de exportação em pouquíssimo tempo. Isso geraria um prejuízo enorme à nossa economia”, conta Simplício.

As análises laboratoriais realizadas pelos profissionais também são responsáveis pela classificação e o controle de qualidade dos produtos alimentícios, medicamentos veterinários, vacinas, além da análise de resíduos biológicos que podem indicar anomalias nos animais fiscalizados, tais como hormônios e antibióticos.

Além do trabalho realizado no Brasil, os veterinários também atuam junto a outros auditores fiscais agropecuários (engenheiros agrônomos, farmacêuticos, químicos e zootecnistas) em prol do desenvolvimento do agronegócio brasileiro. Os AFFAs operam como adidos agrícolas em oito capitais ao redor do mundo Buenos Aires (Argentina), Washington (Estados Unidos), Bruxelas (União Europeia), Pequim (China), Moscou (Rússia), Pretória (África do Sul), Genebra (sede da Organização Mundial do Comércio) e Tóquio (Japão), divulgando os produtos do agronegócio nacional e identificando políticas agrícolas.

Sobre os Auditores Fiscais Federais Agropecuários

O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical) é a entidade representativa dos integrantes da carreira de Auditor Fiscal Federal Agropecuário. Os profissionais são engenheiros agrônomos, farmacêuticos, químicos, médicos veterinários e zootecnistas que exercem suas funções para garantir qualidade de vida, saúde e segurança alimentar para as famílias brasileiras. Atualmente existem 2,7 mil fiscais na ativa, que atuam nas áreas de auditoria e fiscalização, desde a fabricação de insumos, como vacinas, rações, sementes, fertilizantes, agrotóxicos etc., até o produto final, como sucos, refrigerantes, bebidas alcoólicas, produtos vegetais (arroz, feijão, óleos, azeites etc.), laticínios, ovos, méis e carnes. Os profissionais também estão nos campos, nas agroindústrias, nas instituições de pesquisa, nos laboratórios nacionais agropecuários, nos supermercados, nos portos, aeroportos e postos de fronteira, no acompanhamento dos programas agropecuários e nas negociações e relações internacionais do agronegócio. Do campo à mesa, dos pastos aos portos, do agronegócio para o Brasil e para o mundo.





Gráfica Editora e Jornal Via Mão - Redação: Rua Komiko Kakuta, 38 - São Judas Tadeu - Capão Bonito - SP
CNPJ: 05.771.658/0001-10 - Registrado no Cartório de Registro Civil de Pessoas Jurídicas, sob n.º 12 no Livro "B" Matriculado e Microfilmado sob n.o 1.256.
Email: redacao@jornalviamao.com.br - jornalviamao@jornalviamao.com.br