História de Capão Bonito

De Freguesia velha a Capão Bonito.

 

Em 1746, às margens do Rio Paranapanema, surgiu um povoado denominado Freguesia Velha, em razão da chegada de pessoas atraídas pela ocorrência de minérios no Rio das Almas e Ribeirão do Chapéu, seus afluentes. Por ser uma região inóspita ao crescimento da Vila, o Padre Joaquim Manuel Carneiro, procurou um novo local.

 

Pedro Xavier dos Passos, conhecido como ‘Sucuri”, adquiriu uma grande gleba de terra do Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar e de sua esposa D. Domitila de Castro – Marquesa de Santos, localizada na fazenda Capão Bonito, denominação dada em virtude da existência de um bonito capão de mato em forma de coração.

 

“ Sucuri” doou 150 braças de terras a Capela de Nossa Senhora da Conceição do Paranapanema, onde formou-se um novo povoado: Capão Bonito do Paranapanema, hoje, apenas Capão Bonito.

 

O então distrito cresceu e, em 2 de Abril de 1857, foi elevado à categoria de Município.

TROPERISMO
Por volta do século XVIII, tropeiros vindos de Viamão – RS, cumprindo uma jornada diária de 60 km, pernoitavam nos locais onde fundaram vilas e cidades.

 

As tropas pernoitavam em torno do bonito capão de mato permanecendo algum tempo. Em seguida faziam a travessia do Rio Paranapanema rumo a Itapetininga e a Sorocaba
onde rebentava a feira de muares.

 

Havia também o “tropeirismo doméstico” de tropas que realizavam transporte de mercadorias em burros, levando produtos a vários locais próximos e longínquos.

 

Você sabe porque que quem nasce em Capão Bonito é chamado Gameleiro?
gamelaGAMELEIRO!
Por que este nome tem um forte significado cultural na história de Capão Bonito, principalmente, para as pessoas mais antigas nascidas na cidade.

 

A origem do GAMELEIRO surgiu por volta de 1746, nas nascentes do Rio Paranapanema, com a formação de um povoado denominado Freguesia Velha, em razão da chegada de pessoas vindas dos lugares mais diversos e longínquos atraídas pela ocorrência de minérios no Rio das Almas e Ribeirão do Chapéu, seus afluentes. Eles se alojaram ali, começando então, a formar o tal povoado, o núcleo da atual Capão Bonito, onde deixaram rastros importantes da história do município e fortes vertentes culturais da formação dos capão-bonitenses – as tradições mais ricas de nossa arte, nossa dança, nossa música, etc.

 

Como símbolo, nossos colonizadores GAMELEIROS também fabricavam a “GAMELA” – vasilha de madeira, ou de barro, com a forma de alguidar ou de escudela, utensílio de origem indígena utilizado para diversos fins.

 

Os GAMELEIROS, com o decorrer dos tempos, gradativamente foram formando outros núcleos, disseminando as festas religiosas e as tradições agrícolas onde outros colonos foram adotando como suas: os tropeiros, os italianos, os japoneses…Gente que indiscutivelmente vem também lutando e também ajudando a construir o desenvolvimento deste município com amor dedicação.
E por conta disso ficou marcado, quem nasce em Capão Bonito é GEMELEIRO.


Voltar


Gráfica Editora e Jornal Via Mão - Redação: Rua Komiko Kakuta, 38 - São Judas Tadeu - Capão Bonito - SP
CNPJ: 05.771.658/0001-10 - Registrado no Cartório de Registro Civil de Pessoas Jurídicas, sob n.º 12 no Livro "B" Matriculado e Microfilmado sob n.o 1.256.
Email: redacao@jornalviamao.com.br - jornalviamao@jornalviamao.com.br